W21K Asics: uma corrida perfeita!

asics w21k (2)Confesso que no início eu não era muito fã de corridas exclusivamente femininas… Mas mudei de ideia e já faz um bom tempo. Acho bem legal a atenção que as marcas passaram a dar a nós, mulheres, pensando nos mínimos detalhes para que a experiência esportiva seja a melhor. No ano passado, como estava às vésperas da Maratona de Berlin, fui só de torcida na W21 Asics. Mas esse ano participei. Da entrega do kit (na loja da Asics), ao kit em si (com direito à camiseta personalizada na hora e bolsa linda), passando pelo percurso (boa parte plano), pela cobertura (feita por fotógrafas) e as atrações (aula de dança), a ação chamando atenção para a prevenção do câncer de mama e os serviços (massagem, fotos, cabeleireiro) na arena, foi tudo perfeito. continue lendo

Inspiração: Anelive Costacurta Torres

Anelive_abreA manhã de 16 de agosto de 2014 ficou marcada no mundo das corridas. Por volta das nove horas daquele sábado, um carro descontrolado, pilotado por um motorista embriagado, atropelou quatro pessoas que se exercitavam nas ruas da Cidade Universitária de São Paulo, a USP. O acidente vitimou o veterano Álvaro Teno e feriu gravemente os outros três. Entre eles estava a biomédica Anelive Costacurta Torres, mãe de dois filhos, que se preparava para sua primeira maratona. Um ano após o fatídico acontecimento, ela voltou ao esporte, recuperada, feliz e com direito a recorde pessoal nos 21K. continue lendo

Inspiração: Vanessa Borgonovi

Vanessa_finalG4aA professora Vanessa Borgonovi, 37 anos, mãe de duas meninas, se encontrou na corrida e saiu do estado de obesidade, encarando recentemente uma meia maratona. Mas ela quer mais, muito mais. Inspire-se em sua história!  continue lendo

Inspiração: Danielle Nobile

8 - 8_Golden4DF_flavioNasc_Arena_036

“A corrida salvou minha vida de várias maneiras”, diz a professora Danielle Nobile, de Ribeirão Preto (SP). Ela sofreu um acidente de carro em 2012, ficou tetraplégica e teve de dar um tempo ao esporte que tanto amava. Mas não se deixou abater e deu a volta por cima. Vem com a Dani e ajude-a a ir cada vez mais longe… continue lendo

Meus 10 anos de corrida!

livro14

Foi em um dia qualquer do mês de agosto de 2005 que fiz meu primeiro treino no Parque do Ibirapuera, com a equipe MPR. E é tão bom olhar para trás e ver que se passaram 10 anos e como minha vida mudou nesse tempo… continue lendo

Golden Four Asics: 21K com choro no final

GoldenFour1

Foto: Guto Gonçalves | Estúdio13

Eu tenho treinado regularmente. Procuro fazer os três treinos semanais de corrida e mais a musculação. Ok, algumas semanas são mais complicadas, só saem dois treinos… Mas continuo na ativa. Sei que engordei um pouco (my hips don’t lie) e isso faz diferença em uma corrida – imagine carregar uns três quilos a mais por quilômetros.Pois bem. Domingo teve a Golden Four Asics. 21K em percurso rápido. A ideia era fazer sub duas horas – visto que a Mizuno Half Marathon, em junho, fechei em 1h57m. Sem querer justificar, mas já justificando (pra mim mesma), além do peso sobressalente, tive uma semana atribulada e dormi pouco na véspera da prova. Uns dias antes, brinquei que minha estratégia seria sair correndo, correndo, como uma louca, desesperada. “Se quebrar, quebrei; se não quebrar, quebro meu recorde”, foi o bordão que usei. continue lendo

It’s runderful!

Mizuno1

Eu já corri mais de 20 meias maratonas – mas poucas abaixo de 2 horas (a melhor foi 1h52, no Rio, em 2010). E uns dois meses atrás, já tendo desistido de correr maratona no primeiro semestre, me inscrevi para a Mizuno Half Marathon. Só que estava meio desanimada com a vida. Então, conversando com a Fe – minha amiga-irmã da corrida – surgiu a ideia de corrermos a prova para fazer um bom tempo (se possível o melhor da vida) e termos uma motivação extra para treinar. Assim surgiu o ‪#‎projetomeialoka. Muitos WhatsApp, cálculos, treinos e risadas depois, lá fomos nós, no último domingo, para corrermos como se não houvesse amanhã… continue lendo

No fun, no gain

yara_10abril boas sensaçõesÀs vezes eu vou correr e entro em uma espécie de transe. Esqueço pace, distância, postura… e tudo o que me interessa são as boas sensações. Já faz um tempo que penso escrever sobre isso. E dia desses, fazendo uma pesquisa para uma matéria que estou fechando, me deparei com um pensamento bacana, que vai nessa linha e me inspirou. A frase é atribuída a Lorraine Moller, corredora neo-zelandesa que participou de quatro Olimpíadas e foi medalha de bronze na maratona dos Jogos Olímpicos de Barcelona, aos 37 anos: “Para mim, correr é um estilo de vida e uma arte. Estou mais interessada na magia do esporte do que em sua mecânica.” continue lendo

Lisboa: uma meia maratona com cara de maratona

blog (42)

Sempre é bom treinar. As oportunidades aparecem. E foi assim que aconteceu com a 25ª Meia Maratona de Lisboa. Comecei a programar uma viagem à capital portuguesa com minha mãe e vi que a época que iríamos coincidia com a Meia. Fiquei com vontade de correr. Só precisava dar um jeito de me inscrever – e consegui graças à prestativa organização. continue lendo

… a Meia Maratona do Rio 2014…

yara rio1No ano passado eu corri a Maratona do Rio. Esse ano, optei pela distância da Meia. Aliás, a Meia do Rio é uma das minhas favoritas – acho que já fiz umas quatro vezes. Mas cada prova é uma prova e um ano nunca é igual ao outro. Desta vez, por exemplo, encontramos um Rio de Janeiro cinzento, nublado e até frio – típico clima paulistano roubando um pouco da beleza da Cidade Maravilhosa. Em compensação, perfeito para correr.

continue lendo