Inspiração: Anelive Costacurta Torres

Anelive_abreA manhã de 16 de agosto de 2014 ficou marcada no mundo das corridas. Por volta das nove horas daquele sábado, um carro descontrolado, pilotado por um motorista embriagado, atropelou quatro pessoas que se exercitavam nas ruas da Cidade Universitária de São Paulo, a USP. O acidente vitimou o veterano Álvaro Teno e feriu gravemente os outros três. Entre eles estava a biomédica Anelive Costacurta Torres, mãe de dois filhos, que se preparava para sua primeira maratona. Um ano após o fatídico acontecimento, ela voltou ao esporte, recuperada, feliz e com direito a recorde pessoal nos 21K. continue lendo

Anúncios

Cirurgia plástica X corrida

plastica5A corrida traz bem-estar e ajuda você a entrar em forma, melhorar a saúde, elevar a autoestima. Mesmo assim, há quem não resista em fazer um ajuste aqui, outro ali no corpo. E não há mal nenhum nisso. Mas algumas pessoas se sentem inseguras na hora de optar por um determinado procedimento. Será que vai ficar bom? Vou ter de parar de correr? A intervenção pode me ajudar depois a melhorar a performance? Para responder a essas e outras questões, conversei com o cirurgião plástico Sidney Zanasi, especialista pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica e assistente da disciplina de Cirurgia Plástica da Faculdade de Medicina do ABC – ele próprio corredor, apaixonado pelo esporte, com 13 São Silvestre, 20 meias-maratonas e duas maratonas completadas. continue lendo

Inspiração: Vanessa Borgonovi

Vanessa_finalG4aA professora Vanessa Borgonovi, 37 anos, mãe de duas meninas, se encontrou na corrida e saiu do estado de obesidade, encarando recentemente uma meia maratona. Mas ela quer mais, muito mais. Inspire-se em sua história!  continue lendo

Exercício só no final de semana: pode?

Maratona NY 016

Foto: Guto Gonçalves / Estúdio13 / Instagram @estudio13

Se você fosse seguir ao pé da letra as recomendações da American College of Sports Medicine (ACSM), para preservar a saúde precisaria praticar pelo menos 30 minutos de atividade física moderada, cinco vezes por semana. Além disso, para minimizar riscos de lesões em músculos e articulações, seria necessário incluir na rotina exercícios localizados e de alongamento, duas vezes por semana. Você não tem esse tempo todo? Calma. Confira o que funciona e o que não funciona sobre os exercícios aos sábados e domingos. continue lendo

Inspiração – Liège Gautério

Foto: Edu Andrade/ Folhapress (reprodução)

Foto: Edu Andrade/ Folhapress (reprodução)

No ano passado, quando eu trabalhava na redação da BOA FORMA, recebi um e-mail da educadora física Liège Pereira Gautério, de Porto Alegre (RS), com uma história inspiradora. Esportista desde sempre, ela passou por situações delicadas de saúde e teve até de se submeter a um transplante de pulmão. Na época, fiz uma matéria com ela na revista e, desde então, tenho acompanhado suas conquistas. Vem ver que garra a da LIÈGE… continue lendo

Mahamudra: crossfit, ioga, pilates, artes marciais, meditação

_MG_8737

Foto: Lu Cristhovam

Uma galera com abdômen incrível, braços definidíssimos, fazendo exercícios intensos ao ar livre: foi o que vi acessando as redes sociais do Mahamudra Brasil. Logo percebi que se tratava de uma nova sensação no mundo fitness. Procurei o idealizador do método, César Curti, que explicou que teve a ideia após experimentar várias atividades físicas e perceber que poderia unir o melhor de cada uma delas. continue lendo

Inspiração – Maria Rita

MariaRita3Conheci a Maria Rita há uns seis ou sete anos – primeiro pelo Twitter, depois pessoalmente. Desde o início nos identificamos. Viramos amigas. E a história dela sempre me inspirou – e eu adoro contá-la. Inaugurando a seção “Inspiração” aqui do blog, com vocês, MARIA RITA

continue lendo

… Uphill Marathon, o livro…

1Não canso de dizer: começar a correr, lá atrás, em 2005, foi uma das melhores coisas que eu fiz por mim, em toda minha vida. Mas nunca imaginei que poderia ir tão longe. Conheci pessoas e lugares que me marcaram para sempre. E, sem perceber, acho que também marquei a vida de muita gente por aí. Isso porque eu corro com paixão, deixando o corpo e a alma irem ao sabor de cada passada. Às vezes pode parecer uma viagem, eu sei. Afinal, é só um esporte. Mas eu amo, vivo e devo muito a esse esporte. continue lendo

…gente que faz…

vida corrida4

Neide Santos, Adriana Silva e eu: Vida Corrida
Foto: Guto Gonçalves/Estúdio13

Conheço a Neide Santos há tempos. Já fiz matéria com ela (leia aqui). Adoro seu astral. Sempre pra cima, sempre guerreira. E na sexta, dia 13, fomos finalmente conhecer seu projeto Vida Corrida, no Capão Redondo.

Fui eu, o Guto, a maratonista Adriana Silva e os meninos (Joaquim e Antônio). Que trabalho lindo a Neide faz no Parque Santo Dias, levando esporte e esperança para mais de 200 adultos e 150 crianças inscritas no projeto. Tudo acontece ali, em uma imensa área verde. “Temos um acordo com a Secretaria do Verde que nos cedeu essa área, com uma trilha fantástica de 1 km e outras menores. Meu sonho é fazer uma prova cross country por aqui”, conta Neide.

Chegamos em meio a uma aula infantil. Meninos e meninas, de 5 a 13 anos, estavam ali brincando, correndo, orientados pelo professor Balbino. “As mães treinam pela manhã e os filhos à tarde. Temos um resultado super positivo desse trabalho, tanto em ganho de qualidade de vida como em diminuição dos índices de violência na região”, diz a diretora do projeto.

Nossa visita com a Adriana teve também outro propósito. A maratonista foi encarregada de fazer a doação dos tênis arrecadados na Golden Four Asics de Brasília ao projeto Vida Corrida. Antes de fazer a entrega oficial, Adriana falou às crianças e às mães presentes, contando um pouco de sua experiência. “Comecei a correr aos 12 anos, convidada por meu irmão para participar de uma prova na cidade de Cruzeiro, onde nasci. Mas passei por muitas dificuldades até chegar aonde cheguei. O esporte foi muito importante em minha vida e me fez ir onde eu nunca havia imaginado estar. Foi o caminho que encontrei para realizar meus sonhos”, discursou a atleta que participou dos Jogos Olímpicos de Londres em 2012 e foi campeã Pan-americana na maratona, em 2011 no México, entre tantas outras conquistas. “Por meio da prática esportiva temos a oportunidade de nos tornarmos grandes cidadãos”.

“O Projeto Vida Corrida se sente honrado com a visita de uma atleta do nível da Adriana Silva. Agradecemos imensamente os calçados. Todo tipo de ajuda é bem-vinda. Um mundo melhor começa com esporte, saúde, educação, arte e cultura”, finalizou Neide.     

Este slideshow necessita de JavaScript.

O Projeto Vida Corrida: mudança social com os pés e o coração
Liderado voluntariamente por Neide Santos, o Projeto Vida Corrida teve início em 1999, com apenas seis integrantes. Hoje são mais de 350 participantes (cerca de 200 adultos e 150 crianças), sendo 87% mulheres e meninas com idades entre 4 e 80 anos. Os treinamentos de corrida acontecem dentro do Parque Santo Dias. “As mulheres e meninas do bairro do Capão Redondo sofrem pela carência de lazer, de entretenimento e oportunidades para praticar esportes, o que consequentemente promove a exclusão social e a ociosidade. A corrida, esporte democrático e de fácil acesso, possibilita reunir um grande número de pessoas sem distinção. E estas atividades reforçam o vínculo comunitário entre os participantes e fortalecem os laços familiares”, explica Neide.

… o dia em que conheci a Paula…

Yara e PaulaA corrida proporciona momentos pra lá de especiais, lembranças que não se apagam mesmo com o passar dos anos. Sensações tão mágicas que quando você lembra, dá risada sozinha e agradece pela oportunidade única. Foi assim, inesperado e até engraçado, meu encontro com a Paula… Radcliffe.

Aconteceu no início de novembro de 2008. Eu tinha corrido a Maratona de Nova York (prova em que o Marilson ganhou no masculino e a Paula no feminino). No dia seguinte à prova, uma segunda-feira, a pedido do editor da revista Contra Relógio (com a qual colaboro há tempos), fui a um evento no restaurante The Boathouse, no Central Park, para a cerimônia de premiação dos vencedores do World Marathon Majors. Os campeões, que faturaram meio milhão de dólares cada um, foram o queniano Martin Lel e a alemã Irina Mikitenko. Cheguei meio tímida, me apresentei ao assessor de imprensa, procurei uma mesa discreta e sentei, esperando para começar.

Distraída, olhando toda aquela movimentação e me sentindo privilegiada por estar em um evento como esse, perto de grandes nomes da corrida, nem percebi quando ela se aproximou. Sei que quando olhei a Paula Radcliffe estava sentada na minha mesa. Sabe quando você fica sem ação? Ao lado dela, a diretora da maratona de Nova York, Mary Wittenberg.

Minha primeira reação foi dizer “congratulations”. Entre atrapalhada e emocionada, ainda consegui falar que era do Brasil e que havia corrido a Maratona de Nova York. Ela disse que não conhecia o Brasil, mas gostaria de correr por aqui. E ainda retribuiu: “congratulations”. Contei ainda que meu tempo havia sido 4h21 e a simpática Mary Wittenberg disse que era uma boa marca! Melhor elogio impossível!!!

E teve espaço até para as gracinhas das filhas das campeãs: a Isla, filha da Paula, brincando de tirar foto, e Vanessa, filha da Irina, observando – porque ela só fala alemão…

No final, também bati um papo com o Marilson, que disse: “A Maratona de Nova York é uma prova dura e de altíssimo nível. E eu vim para cá com a convicção de vencer. Ganhar pela segunda vez foi maravilhoso!”

E só para registrar, outro encontro especial com o Marilson aconteceu recentemente, no Troféu Brasil de Atletismo, quando ele venceu a prova dos 10.000 m. Após a entrevista, brinquei dizendo que eu dava sorte para ele. Falei que estive em algumas provas nas quais ele havia sido campeão: NY (em 2008), 10 Milhas Garoto (em 2010) e naquele dia, no Troféu Brasil. Entrando no espírito da brincadeira, Marilson respondeu: “Então vai para Berlim” (referindo-se à sua próxima grande disputa, que aconteceria em setembro). Eu não fui… e ele chegou em sexto, rsrs. Brincadeiras à parte, Marilson é nosso maior atleta e não depende de sorte ou superstições. Simplesmente vai lá e faz!

No evento em NY, assumindo meu lado de corredora e fã, não resisti e tirei fotos com os campeões da Maratona em 2008 – me julguem!

Este slideshow necessita de JavaScript.