Inspiração: Grete Waitz

Grete Waitz

“Para cada faixa de chegada rompida e som dos aplausos da multidão, há incontáveis horas de treino duro”, Grete Waitz, uma das maiores maratonistas do mundo, nove vezes campeã da Maratona de Nova York. Vem ver a história dela!

Sou muito fã dela! E não tem como falar da Maratona de Nova York sem falar dela. Quando corri lá, em 2008, me senti a própria Grete Waitz pelas ruas da Big Apple… Foi emocionante e você pode conferir o relato todo aqui.

Mas veja porque Grete é minha inspiração…

Nascida Grete Andersen, ela começou no atletismo internacional em provas de meio-fundo, correndo os 1500 metros nos Jogos Olímpicos de Munique, aos 19 anos, em 1972, depois de se tornar várias vezes campeã nacional juvenil da Noruega nos 800 metros e 1500 metros. Em 1975, quebrou o recorde mundial adulto dos 3000 metros, com a marca de 8:46.06, em Oslo – tempo que abaixou novamente no ano seguinte para 8:45.04.

Passando para a maratona no final da década, disputou sua primeira prova nesta distância em Nova York, em 1978. Não só venceu a corrida como quebrou o recorde mundial então vigente (da alemã-ocidental Christa Vahlensieck).

“Nunca mais vou fazer essa estupidez de novo”, teria dito Grete, jogando seus tênis de corrida no marido, que a incentivou a correr a maratona em plena lua de mel dos dois nos Estados Unidos.

No ano seguinte, tornou-se a primeira mulher a baixar da marca de 2h30min, iniciando um domínio que duraria por vários anos na maratona feminina, vencendo mais oito vezes em Nova York e a Maratona de Londres por duas vezes. Em 1983, conquistou a medalha de ouro no primeiro Campeonato Mundial de Atletismo, disputado em Helsinque, na Finlândia.

Favorita destacada à medalha de ouro nos Jogos Olímpicos de Los Angeles, depois do boicote feito pela Noruega aos Jogos de Moscou em 1980, Grete viu a medalha escapar com a vitória da norte-americana e amiga Joan Benoit, conquistando a medalha de prata, na única maratona que não venceu enquanto esteve no auge de sua carreira. Em 1988 competiria novamente, em Seul, mas já então sofrendo de várias contusões no joelho, teve que abandonar a corrida.

Após deixar o atletismo de alto nível, Grete se dedicou a promover corridas femininas em todo o mundo e participou de seminários esportivos e sobre saúde. Heroína nacional de seu país, tem uma estátua na entrada do estádio de atletismo de Bislett, o mais famoso de Oslo e palco da quebra de diversos recordes internacionais.

Em novembro de 2008, foi condecorada pelo rei Haroldo V com a Real Ordem Norueguesa de Santo Olavo, Primeira Classe, por sua carreira e por ser um importante modelo para outros atletas.

Grete Waitz morreu em 19 de abril de 2011, aos 57 anos, vítima de um câncer. Foi enterrada com honras de estado, a sexta mulher na história da Noruega a obter essa honraria.

Você pode conferir a minha Maratona de Nova York e as outras seis que corri, aqui!

Anúncios

Uma resposta em “Inspiração: Grete Waitz

  1. Sou muito fã dela!! Em 1992 acompanhou Fred Lebow, com câncer cerebral, por 5 horas e meia na sua última maratona de Nova York. O Mauricio ( meu marido) estava lá e correu neste ano de 1992.

p o d e_f a l a r

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s