… eu fiz a Volta da Pampulha…

pampulhaA pedidos, aqui vai meu relato da Volta da Pampulha, 18 K percorridos no último domingo, 2 de dezembro, em Belo Horizonte, debaixo de um sol de mais de 30 graus certamente.

Cheguei cedo à Pampulha, com um grande grupo de amigos. E já tinha muuuita gente por lá. Depois de sentir o clima festivo da prova, do alongamento, da conversa sobre estratégias, nos dirigimos à largada, já divididos em grupos menores. 

Antes da largada, aquela expectativa, sob um sol escaldante. E saímos às 10h10. 

Nem vi passar o primeiro km. No segundo, olhei para o relógio e constatei que estava a quase 6 minutos e meio por km. Péssimo!!! Mas como relatei anteriormente aqui no blog, estou me sentido travada.

A sensação de arrastar uma bola de ferro nos pés passou um pouco após o terceiro km. Só que eu ainda estava devagar. Sabia que poderia acelerar um pouco, mas não conseguia. Segui nesse ritmo “sem vergonha”. 

E nos kms seguintes juro que passou por minha cabeça “desistir de tudo”. Não que eu não estivesse preparada. Fisicamente sei que sou bem capaz, mas rolou um “pânico” dentro de mim. E fiquei “brigando comigo mesma” o tempo todo para esse pensamento ir embora. É claro que eu não queria desistir.

Estava sonhando com o km 6, quando tomaria meu primeiro carboidrato em gel. Pensei: “quem sabe assim eu ganho energia e melhoro esse ritmo”. Adiantou um pouco, mas o “energético” foi mesmo a companhia de um amigo, mais ou menos no km 7. Ele chegou a meu lado, falamos qualquer coisa, e ele imprimiu um ritmo mais forte, me puxando… Foi ótimo. Foi o que me deu ânimo. Falei pra ele: “a gente sempre pode melhorar, né?” 

Daí ele me deixou e eu segui num ritmo bem melhor – agora cerca de 6 minutos por km.

Por volta do Km 12, tomei meu segundo carboidrato. Pensava muito no meu treinador, o Marcelo (da SIX), nas dicas, no incentivo que ele me dá, dizendo que eu posso mais… E fui me distraindo, “competindo” com um ou outro corredor, para o tempo passar mais depressa. E fazendo contas o caminho todo para ver em quanto tempo eu terminaria a prova, já me frustrando com os resultados.

Eu e minha amiga Lana, de BH

Eu e minha amiga Lana, de BH

Durante essa corrida, cheguei a me questionar se quero mesmo correr uma maratona. Pensei no desgaste que eu estava tendo ali, projetei o que era correr 42 km… Pensei no período de preparação ao qual terei de me submeter… No final, cheguei a conclusão de que quero, sim, fazer uma maratona, mas terei que me conscientizar muito a respeito de treinos, descanso, alimentação, lado psicológico. Nesse final de ano vou aproveitar para fazer aquela reflexão básica de sonhos e projetos e decidir com calma em 2008.

Mas a Volta da Pampulha foi linda. As pessoas, especialmente as crianças, nos incentivando às margens da enooooorme Lagoa da Pampulha, o pessoal das belíssimas casas muitas vezes disponibilizando um refresco aos corredores com mangueiras d’águas…

Apesar do sol, o calor não me atrapalhou. Acho que aproveitei bem os postos de hidratação. E cheguei inteira, sem nenhum tipo de dor, nada, nada… Isso prova que eu estou bem preparada.

Falta vencer esse travamento psicológico que tomou conta de mim. Sei que nos últimos meses também ganhei dois ou três quilos, o que faz uma diferença enorme no desempenho. Estou correndo atrás do prejuízo, para ver se volto à antiga forma e recupero a leveza da corrida. 

YARA ACHÔA | CLASSIFICAÇÃO 481º |TEMPO FINAL 01:50:10

Anúncios

p o d e_f a l a r

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s